Logo Cnj 
Logo Cnj 
Portuguese English Spanish
 

Manifestações do MP acolhidas em importantes decisões do Órgão Especial do TJ

Panorama da sessão do ...

 

Em sessão realizada na tarde desta segunda-feira, 23, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça tomou importantes decisões que refletem no cotidiano da sociedade gaúcha.

Primeiramente, por 17 votos a oito, os Desembargadores consideraram válida a Lei Estadual nº 14.653 que reajustou o piso regional do Estado em 16%, no ano passado. A decisão foi tomado em julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pela Federação do Comércio de Bens e Serviços do RS – Fecomercio. Durante o julgamento, o Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos Substituto, Antonio Carlos de Avelar Bastos, representando o Ministério Público, manifestou-se pela improcedência da ADI.

Em sua argumentação, a Fecomercio destacava que a legislação é inconstitucional, pois foi editada no segundo semestre do ano em que houve eleições para os cargos de Governador e Deputados Estaduais, violando o que dispõe a Lei Complementar nº 103/2000 e os artigos 1º e 19 da Constituição do Estado, que vedam a instituição do piso regional no segundo semestre de anos eleitorais. Entretanto, em seu voto, o Desembargador Túlio Martins, que relatou a matéria, enfatizou que a Lei Complementar nº 103/2000 impede a instituição do piso regional em semestre eleitoral, não o reajuste.

LEI KISS É MANTIDA

Em seguida, por unanimidade, o Órgão julgou improcedente Ação Direta de Inconstitucionalidade que questiona a Lei Complementar 14.376/13, que estabelece regras de segurança e prevenção contra incêndio no Estado. O Tribunal declarou a perda parcial do objeto da ação devido às alterações que a legislação, também conhecida como Lei Kiss, sofreu na Assembleia Legislativa.

Ajuizada por 55 Municípios, a ADI questionava oito artigos da Lei Complementar. Para os autores, a Assembleia, na ânsia de dar uma resposta à sociedade, após o trauma coletivo do incêndio na boate Kiss, que resultou em 242 mortos e mais de 600 feridos, ocorrido em Santa Maria em 27 de janeiro de 2013, teria elaborado apressadamente a legislação.

Entre o ajuizamento da ADI e uma decisão liminar, foi editada pelo Legislativo gaúcho a Lei Complementar nº 14.555/2014, que alterou diversos dispositivos da LC 14.376/2013, inclusive o art. 5º - principal objeto da discussão. Diante desse quadro, o Órgão Especial do TJRS considerou a perda parcial de objeto da Ação.

Da mesma forma, o Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos Substituto, Antonio Carlos de Avelar Bastos, verificou a parcial perda de objeto da ação, já que alguns dispositivos não estavam mais em vigência. Assim, nesse particular, imperativa a extinção do feito, destacou. Sustentou que os dispositivos que restaram como objeto da demanda não estão eivados de vício, conforme alegado pelo proponente, portanto, constitucionais, como a regulação atinente aos sistemas de prevenção e proteção contra incêndios, de incumbência do Corpo de Bombeiros Militar, que é matéria adstrita à competência Estadual. Por fim, manifestou-se pela improcedência da Ação Direta de Inconstitucionalidade. A maioria dos votos dos Desembargadores foi em plena concordância com a manifestação do MP. Em plenário, Bastos foi assessorado por Miguel Prietto.

 

... Órgão Especial do TJ

 

A manifestação de Antonio Carlos de Avelar Bastos

Fonte: MPRS

     

SENP, Quadra 514 Norte,
Lote 9, Bloco D
Brásilia - DF, 70760-544

 

  • (61) 2326-5000

SAFS, Quadra 2 Lote 3
Edificio Adail Belmonte
Brásilia - DF, 70070-600

  • (61) 3366-9100